“VERaCIDADE”, no Espaço Armazém

De 12 a 28 de junho, o Espaço Armazém, na Fundição Progresso, recebe o espetáculo “VERaCIDADE”, uma crônica circense da cidade do Rio de Janeiro, que traz a tona curiosidades, belezas e angústias camufladas nos movimentos do cotidiano urbano. Um convite a “ver a cidade”, reaprendendo a contemplar desde aquilo que nos parece banal e que passa despercebido, até as grandes obras da natureza e do homem que adornam a nossa cidade. Com direção de Cláudio Baltar, projeto conta com jovens artistas de formação interdisciplinar, com passagem pela Escola Nacional de Circo, Faculdade Angel Vianna, Orquestra de Sopros da Pró-Arte, Intrépida Trupe entre outros. A trilha sonora original de Daniel Gonzaga conta com elementos como os sons da cidade, das buzinas, ruídos, áudios de depoimentos dos interpretes colhidos durante os ensaios, entre outros.

O homem do século XIX já experimentava a angústia da desordem e a ânsia de sentidos, incapaz de dar conta do excesso de referências, sons e imagens, que no século XX se intensificaram. Estas inquietações também afligem o homem do século XXI, que imerso no cotidiano da grande cidade, busca o equilíbrio entre o tempo industrial e o tempo criativo, o trabalho e o lazer, a pressa e a contemplação, dentre outras aparentes antíteses que se impõem nas grandes metrópoles, como o Rio de Janeiro.

No palco, diversos movimentos e cenas do cotidiano urbano buscam chamar a atenção do público para hábitos e situações naturalmente estabelecidas no ambiente urbano.
Dentre os aparelhos a serem utilizados está o mastro flutuante. A cenografia do espetáculo mistura, com o uso de projeções, elementos virtuais aos aparelhos circenses.

Segundo Claudio Baltar, a palavra VERACIDADE apresenta um duplo desafio: VER A CIDADE nos remete à singularidade de um “olhar” sobre a cidade. VERAZ CIDADE nos leva a refletir sobre algumas questões que pairam sob os alicerces de uma suposta ordem civilizatória. O tema abre um extenso e complexo universo que é pensar o homem da grande cidade, cujo contexto atual resulta de um processo de transformação histórico, que vem, ao longo do tempo, sofrendo influências sociais, políticas e econômicas. Como abordar um tema tão amplo sem cair na superficialidade, já que a palavra nos propõe ir além das aparências para apresentar de uma forma franca e sincera, o que as nossas experiências e vivências como cidadãos dessa urbe, e como artistas circenses, nos permitiram trazer à tona, durante o processo de criação.

“Os pensamentos de Milton Santos, os documentários de Silvio Tendler, a dicotomia liberdade X segurança e o amor líquido de Zigmunt Bauman, as imagens surrealistas de René Magritte, a conversa com o filósofo Henrique Antoun, os textos de João do Rio sobre as ruas, as janelas de Eduardo Galeano, as “Cidades Invisíveis” de Ítalo Calvino e, principalmente, as impressões do elenco sobre o tema documentadas no primeiro dia de ensaio e a construção dos territórios individuais, foram as referências que, de alguma forma, estão presentes no nosso trabalho.” – explica o diretor.

VERaCIDADE também vem ao encontro de reflexões em torno das recentes transformações urbanas na Cidade Maravilhosa e pretende homenageá-la tendo sua estreia em 2015, período de comemoração dos 450 anos. Espaços públicos, na maneira como são projetados, podem amenizar ou evidenciar as angustias do indivíduo urbano. Os espaços que estão sendo construídos ou reformados devem ser capazes de estimular a convivência, a atenção com o próximo, estimular o hábito da contemplação, entre outros hábitos que podem contribuir à qualidade de vida.

“O Mergulho no mundo das artes é um caminho sem volta. No entanto, a trajetória a ser percorrida apresenta-se com infinitas possibilidades. Dentre todas, escolhemos o circo para permear na vida urbana. Ver, sentir, comer e respirar o entorno, nada mais é, que nos reconhecer como atores desse grande palco que é a cidade.”- contam os responsáveis pela concepção do espetáculo, Bruna Lima, Daniel Elias e Mariana Medina.

 

SERVIÇO

Temporada: 12 a 28 junho (13 apresentações)

Local: Espaço Armazém – Fundição Progresso (Rua dos Arcos, 24 – Lapa, Rio de Janeiro – RJ)

Informações: 21 96772-4656

Horário: quarta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h

Ingressos: R$20,00

Duração: 60 minutos

Gênero: Circo

Classificação: Livre (Recomendado para maiores de 10 anos)

Capacidade: 120 lugares

Bilheteria: Fundição Progresso – 2 horas antes do início da sessão, apenas em dias de apresentação.

 

SINOPSE: Seis acrobatas partem em busca do sonho de viver na grande cidade. Diante das dificuldades sentem-se aprisionados e descobrem que a cidade é apenas um ensaio do que está por vir.

 

FICHA TÉCNICA

Ideia Original: Mariana Medina

Concepção: Bruna Lima, Daniel Elias e Mariana Medina

Intérpretes criadores: Daniel Elias, Glaucy Fragoso, Julio Nascimento, Lana Borges, Mariana Medina e Pati Sousa

Direção Artística: Cláudio Baltar

Direção de Movimento e Coreografia: Lavínia Bizzotto

Direção de Aéreos: Adelly Costantini

Direção Técnica: Daniel Elias

Luz: Aurélio de Simoni

Criação Audiovisual e Projeções: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca

Trilha Sonora: Daniel Gonzaga

Direção de Arte e Figurino: Renata Lamenza

Riggers: Celso José e Vera Aziz

Fotografia: Renato Mangolin

Programação Visual: Diogo Monteiro

Direção Teasers: Ricardo Joppert

Assessoria de Imprensa: Daniella Cavalcanti

Produção Executiva: Daniel Uryon

Assistência de Produção: Felipe Vargens

Assistência Administrativa: Angélica Neves

Assistência de Assessoria de Imprensa: Fernanda Miranda

Gestão: Renata Leite – Rinoceronte Produções

Direção de Produção: Joana Damazio

Realização: A Coisa Toda Produções e Máquina Cultural