“Borderline” – Eu fui!

Foto: apetecer.com
Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

De algumas peças saímos felizes. Há outras em que saímos pensantes, tristes ou emocionados. Não importa a sensação que causam em mim, as de que eu mais gosto são as que mexem mais comigo, as que ficam mais tempo em minha cabeça. Por vezes, fico remoendo trechos do texto, ou lembrando a interpretação de determinado ator durante dias. No caso de “Borderline”, os pensamentos se estenderam até a minha noite de sono. Sim, tive pesadelos com determinados momentos do espetáculo (não posso contar para evitar spoiler rs).

Sem muitos recursos de figurino ou cenário, o ator Bruce Brandão leva o monólogo com texto baseado no conto de Junior Dalberto, que narra histórias com temas polêmicos: suicídio, incesto, homossexualismo, entre outros. Do tema principal, pouco ouve-se falar a respeito por aí. A síndrome de Borderline também é conhecida como transtorno de personalidade limítrofe, em que os atingidos têm oscilações de humor, e vivem no limite entre a normalidade e surtos psicóticos.

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

Os portadores da síndrome podem apresentar agressividade, depressão, medo de abandono, etc. Assim como o personagem do monólogo. Apesar de nada mencionarem se ele realmente possui Borderline, o comportamento é por vezes agressivo e inconsequente. Apresenta euforia em alguns momentos, mas sempre aparentando uma melancolia por trás das atitudes.

O texto fala sobre a história do protagonista e sua relação com a família, sobre sua origem, que pode ser a razão da personalidade atormentada. Também discorre sobre a geração anos 90, que é a do próprio personagem, muito voltada para o mundo cibernético. E é esta a dinâmica rápida que transparece para o palco. Além disto, debocha da vaidade da classe artística, o que é divertido ouvir da boca de um ator.

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

Concordando ou não com as atitudes do personagem, o monólogo vale a pena ser visto devido à abrangência que exerce sobre os espectadores. Não falo apenas por mim, mas pelos comentários dos que assistiram ao espetáculo na mesma sessão. Também pela reação de Bruce Brandão, visivelmente comovido no fim da peça com a emoção que conseguiu passar para o público.

SERVIÇO

Borderline

Estreia: 22 de maio de 2015
Temporada: Até 28 de junho
Horários: Quinta, sexta e sábado 21h – Domingo, 20h
Valor: R$ 40,00 (Inteira)
Classificação: 16 anos
Capacidade: 60 Lugares
Gênero: Drama
Duração: 60 min.
Local: Espaço Tom Jobim – Galpão das Artes
Endereço: Rua Jardim Botânico – 1008 – Telefone – (21) 2274-7012

P.S.: Agradeço à Minas de Ideias pelos convites

Anúncios