“Para os que estão em casa”, no ECM Sergio Porto

Amigos que estão sempre conectados por telefones, mas nunca se encontram pessoalmente formam o enredo central da peça “Para os que estão em casa”, de autoria e direção de Leonardo Netto. A partir da ideia do longa-metragem “Denise está chamando” (“Denise calls up”), dirigido por Hal Salwen, Leonardo criou diálogos ágeis, que trafegam entre o humor e o drama, para falar sobre as relações afetivas contemporâneas. É um espetáculo sobre o amor, a amizade e, principalmente, a solidão. Após a estreia em janeiro deste ano, a peça retorna em curta temporada no ECM Sergio Porto de 4 a ​20​ de junho.

Com 25 anos de carreira e mais de 40 espetáculos como ator, Leonardo Netto estreia como dramaturgo e também assina a produção e a direção da peça. Em cena, Adassa Martins, Ana Abbott, Beatriz Bertu, Cirillo Luna, Isabel Lobo, João Velho e Renato Livera interpretam os sete amigos que estão sempre conectados por seus telefones e computadores, mas vivem isolados e nunca se veem pessoalmente. Eles compartilham de um tipo de solidão que já dava sinais na década de 90, quando o filme foi lançado, e que hoje se faz ainda mais presente com os avanços da tecnologia. “O início da peça parece uma comédia de costumes, mas o desenrolar da trama vai expondo as dores e dificuldades por trás do comportamento dos personagens”, explica o autor.

O cenário de José Dias destaca esse isolamento, colocando todos juntos em cena, mas cada um em sua própria casa cercado de apetrechos e acessórios tecnológicos: computadores, telefones e smartphones. A luz de Aurélio de Simoni define os limites desses ambientes independentes que têm em comum apenas uma mesa de centro. Dois telões que exibem vídeos criados por Leonardo Netto e Renato Livera complementam a ambientação cênica. Os figurinos assinados por Marcelo Olinto são despojados e confortáveis sugerindo a ideia de ser uma roupa ideal para se ficar em casa.

 

SOBRE LEONARDO NETTO – Ator e diretor. Formou-se pela CAL – Casa das Artes de Laranjeiras e estudou Teoria do Teatro na UNIRIO. Estreou profissionalmente em 1989 dirigido por Amir Haddad. Foi um dos fundadores, em 1990, do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo, companhia estável dirigida por Aderbal Freire-Filho, onde atuou em “O tiro que Mudou a história” e “Turandot ou o congresso dos intelectuais”, de Brecht, entre outras. Completando 25 anos de carreira, Leonardo contabiliza mais de 40 espetáculos como ator, tendo sido dirigido por Gilberto Gawronski, Jefferson Miranda, Ana Kfouri, Luiz Arthur Nunes, João Falcão, Marcus Vinícius Faustini (Capitu) e Enrique Diaz (Melodrama).

 

Seus trabalhos mais recentes incluem “Fitz Jam” (direção de Pedro Brício, 2008), “Apropriação” (direção de Bel Garcia, 2008), “Estranho casal” (direção de Celso Nunes, 2009), “Corte seco” (direção de Christiane Jatahy, 2009/10/11), “Terra do nunca” (direção de Ivan Sugahara, 2010), “Na selva das cidades” (direção de Aderbal Freire- Filho, 2011), “Freud – A última sessão” (direção de Ticiana Studart, 2012/13) e “Conselho de classe” (direção de Bel Garcia e Susana Ribeiro, 2013/2014).

 

Em 2002, dirigiu o seu primeiro espetáculo: “A guerra conjugal”, de Dalton Trevisan. Em 2011, assinou a direção de “Cozinha e dependências” e “Um dia como os outros”, ambos de Agnes Jaoui e Jean-Pierre Bacri, em parceria com Bianca Byington. Em 2012, foi a vez de “O bom canário”, de Zach Helm (codireção de Rafaela Amado). Participou da criação do texto dos espetáculos “Fitz Jam”, “Apropriação”, “Terra do nunca” e “Corte seco”.

 

FICHA TÉCNICA

 

Texto: Leonardo Netto

Concepção e Direção: Leonardo Netto

Elenco: Adassa Martins, Ana Abbott, Beatriz Bertu, Cirillo Luna, Isabel Lobo, João Velho e Renato Livera 

Stand-In: Gabriel Delfino Marques e Talita Castro

Participação em vídeo: Andréa Dantas e Santiago Karro Trémouroux

Cenário: José Dias

Iluminação: Aurélio de Simoni

Figurinos: Marcelo Olinto

Vídeos: Leonardo Netto e Renato Livera 

Trilha Sonora: Leonardo Netto

Design Gráfico: Lê Mascarenhas

Fotografia: Vicente de Mello e Júlia Rónai

Assistência de Direção: Júlia Rónai

Direção de Produção: Luísa Barros

Produção Executiva: Carolina Krause

Realização: Fulminante Prod. Culturais e Capitão Comunicação e Cultura

 

 

SERVIÇO

Temporada: 4 a 20 de junho de 2015

Local: ECM Sergio Porto

Endereço: Rua Humaitá, 163 – Rio de Janeiro

Horários: Quinta a domingo, às 20h.

Capacidade: 130 lugares
Valor: R$ 40 (inteira) R$20 (meia-entrada)

Gênero: comédia dramática

Classificação: 14 anos

Duração: 80min