Francis Ford Coppola: o Cronista da América

A mostra Francis Ford Coppola: o Cronista da América celebra um dos maiores diretores da história do cinema, um artista consagrado que continua a se reinventar em pleno século XXI. Serão exibidos 25 filmes dirigidos por Coppola para o cinema, desde suas primeiras produções – os “skin flicks” Tonight for Sure e The Bellboy and the Playgirls -, passando pelo terror B dirigido para o produtor Roger Corman, Demência 13, pelos sucessos de público e de crítica dos anos 1970 – O Poderoso Chefão, O Poderoso Chefão – Parte II e Apocalypse Now Redux – até sua fase mais recente de experimentações com o digital (Tetro) e com o 3D (Virgínia).

Inédita no Brasil, a mostra apresenta também dois documentários Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta, de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola, sobre a tumultuada realização da obra-prima Apocalypse Now; e A Década que Mudou o Cinema, de Ted Demme e Richard LaGravenese, sobre a década de 70, quando houve uma grande mudança no cinema americano, no qual Coppola é um dos personagens. Será realizado um debate, no dia 11 de juho (quinta), com o crítico de cinema Gilberto Silva Jr. e o professor Rafael de Luna, e editado um luxuoso catálogo com mais de 300 páginas sobre a obra do diretor e produtor.

Sobre Coppola

Francis Ford Coppola foi o primeiro diretor egresso de uma universidade (UCLA), o patrono do “Renascimento do Autor” nos Estados Unidos, o principal expoente da “Nova Hollywood” e o responsável por lançar nomes como George Lucas, John Milius, Al Pacino, Robert Duvall e James Caan no cinema.

Em 1961, com Tonight for Sure, iniciava-se a carreira que renderia ao cineasta 5 Oscars e 2 Palmas de Ouro em Cannes (por A Conversação e Apocalypse Now), que o levaria a fundar seu próprio estúdio – o Zoetrope Studios – e que, para fechar o ciclo, retornaria à produção independente e autoral em seus últimos filmes.

Coppola, junto com William Friedkin, Peter Bogdanovich, Brian De Palma, Martin Scorsese, Terrence Malick, George Lucas, Steven Spielberg e Michael Cimino, integra a geração de diretores norte-americanos que, nos anos 70, influenciados pela Nouvelle Vague e pela explosão de Cinemas Novos ao redor do mundo, tomou de assalto Hollywood, que estava em crise desde a falência do “Studio System” (a linha de montagem que os grandes estúdios possuíam, controlando todas as etapas para a realização dos filmes). Peter Biskind os chama de “Easy Rider, Raging Bull”: nunca os diretores contaram com tamanha liberdade artística e criativa dentro da maior indústria cinematográfica do planeta.

O Poderoso Chefão (1972) foi o marco divisor de águas para o “renascimento do autor” no cinema norte-americano. Com 134 milhões de dólares de bilheteria (apenas nos EUA), recorde na época, a saga da família Corleone foi o primeiro “round” na batalha entre os novos executivos dos grandes estúdios, egressos dos departamentos de marketing, e os jovens diretores que ansiavam deter o controle artístico sobre os próprios filmes.

Ainda em 1969, Coppola fundou, com os amigos George Lucas e Walter Murch, a produtora American Zoetrope, estabelecendo-a em São Francisco. Pegou 600 mil dólares de empréstimo com a Warner Brothers para desenvolvimento de projetos, mas o estúdio exigiu o financiamento de volta quando não aprovou os roteiros apresentados.

A fim de pagar a dívida com a Warner, Coppola aceitou, por sugestão de George Lucas, dirigir O Poderoso Chefão. Seu desejo era realizar filmes pequenos, baseados em seus próprios roteiros, como seria A Conversação, mas o sucesso de O Poderoso Chefão e O Poderoso Chefão – Parte II o levaram a apostar em Apocalypse Now.

Como no acordo inicial da American Zoetrope com a Warner, Coppola outra vez arriscou: o diretor colocou o próprio dinheiro e, com os direitos sobre a produção, faturou alto quando Apocalypse Now se provou mais um blockbuster em sua carreira.

Em 1980, Coppola abriu o Zoetrope Studios. Ao mesmo tempo, avançou com a idéia do “cinema eletrônico”, em que integrava pré-produção, produção e pós-produção, ao invés de separá-las, e fazia uso extensivo do vídeo como ferramenta de auxílio durante a filmagem, a edição e a mixagem. Ao custo de 27 milhões de dólares, Do Fundo do Coração foi um fracasso de público e de crítica, selando o destino do Zoetrope Studios, que foi vendido em 1982.

Durante as décadas de 1980 e 1990, ele trabalhou como diretor contratado pelos estúdios, em projetos com a intenção de pagar os débitos acumulados com o Zoetrope Studios. Os maiores sucessos comerciais de Coppola no período foram Vidas Sem Rumo,Peggy Sue – Seu Passado à Espera e o inesperado Drácula de Bram Stoker. Em 1990, o diretor retornou a O Poderoso Chefão, realizando a parte final da trilogia

Francis Ford Coppola, então, se retirou para sua vinícola no Vale do Napa, na Califórnia. Porém, no despertar do século XXI, ele se reinventou. Primeiro, através da filha, Sofia Coppola, para quem produziu As Virgens Suicidas, Encontros e Desencontros, Maria Antonieta, Um Lugar Qualquer e Bling Ring – A Gangue de Hollywood. Depois, novamente, como diretor de filmes independentes, voltando ao projeto original de sua carreira: Velha Juventude, Tetro e Virgínia.

Programação Rio de Janeiro – CCBB (3 a 29 de junho) e Odeon (18 a 24 de junho):

Dia 3 de junho, quarta, CCBB:

– 14h – Jack, de Francis Ford Coppola. EUA, 1996. 113 min. Livre

– 16h30 – Tetro, de Francis Ford Coppola. EUA, 2009. 127 min. 14 anos.

Dia 4 de junho, quinta, CCBB:

– 16h – Agora Você é um Homem (You’re a Big Boy Now), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1966. 96 min. Livre.

– 18h – O Poderoso Chefão (The Godfather), de Francis Ford Coppola. EUA, 1972. 175 min. 14 anos.

Dia 5 de junho, sexta, CCBB: – 15h30 –

Tucker, Um Homem e Se u Sonho

(Tucker, The Man and His Dream), de

Francis Ford Coppola. EUA, 1988. 110 min. Livre.

– 18h – O Poderoso Chefão, Parte II (The Godfather, Part II), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 200 min. 14 anos.

Dia 6 de junho, sábado, CCBB:

– 16h30 – Caminhos Mal Traçados (The Rain People), de Francis Ford Coppola. EUA, 1969. 101 min. 14 anos.

– 19h – A Conversação (The Conversation, 1974), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 113 min. 14 anos.

Dia 7 de junho, domingo, CCBB:

– 14h – A Década que Mudou o Cinema (A Decade Under Influence, 2003), de Ted Demme e Richard LaGravenese. EUA, 2003. 138 min. Livre.

– 17h – Vidas Sem Rumo (The Outsiders), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 91 min. Livre.

– 19h – O Selvagem da Motocicleta (Rumble Fish), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 94 min. 14 anos.

Dia 8 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Jardins de Pedra (Gardens of Stone), de Francis Ford Coppola. EUA, 1987.

111 min. 14 anos.

– 19h – Tetro, de Francis Ford Coppola. EUA, 2009. 127 min. 14 anos.

Dia 10 de junho, quarta, CCBB:

– 16h30 – A Conversação (The Conversation) de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 113 min. 14 anos.

– 19h – O Caminho do Arco-Íris (Finian’s Rainbow), de Francis Ford Coppola. EUA, 1968. 141 min. Livre.

Dia 11 de junho, quinta, CCBB:

– 16h30 – Do Fundo do Coração (One from the Heart), de Francis Ford Coppola. EUA, 1982. 107 min. 14 anos.

– 19h – Debate sobre a obra do diretor e produtor Francis Ford Coppola com o crítico de cinema Gilberto Silva Jr. e o professor Rafael de Luna, mediação do curador Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida.

Dia 12 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Virgínia (Twixt) de Francis Ford Coppola. EUA, 2011. 88 min. 14 anos.

– 19h – Drácula de Bram Stoker (Bram Stoker’s Dracula), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1992. 128 min. 14 anos.

Dia 13 de junho, sábado, CCBB:

– 16h30 – Tonight for Sure, de Francis Ford Coppola. EUA, 1961. 69 min. 14 anos.

– 19h Vidas Sem Rumo (The Outsiders), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 91 min. Livre.

Dia 14 de junho, domingo, CCBB:

– 14h – A Década que Mudou o Cinema (A Decade Under Influence, 2003), de Ted Demme e Richard LaGravenese. EUA, 2003. 138 min. Livre.

– 16h30 – The Bellboy and the Playgirls, de Francis Ford Coppola e Fritz Umgelter.

EUA, 1962 . 94 min. 14 anos.

– 19h – O Caminho do Arco-Íris (Finian’s Rainbow), de Francis Ford Coppola. EUA, 1968. 141 min. Livre.

Dia 15 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Caminhos Mal Traçados (The Rain People), de Francis Ford Coppola. EUA, 1969. 101 min. 14 anos.

– 19h – O Selvagem da Motocicleta (Rumble Fish), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 94 min. 14 anos.

Dia 17 de junho, quarta, CCBB:

– 16h30 – Cotton Club (The Cotton Club), de Francis Ford Coppola. EUA, 1984. 127 min. 14 anos.

– 19h – Do Fundo do Coração (One from the Heart), de Francis Ford Coppola. EUA, 1982. 107 min. 14 anos.

Dia 18 de junho, quinta: CCBB

– 16h – The Bellboy and the Playgirls, de Francis Ford Coppola e Fritz Umgelter.

EUA, 1962 . 94 min. 14 anos.

– 18h – Jack, de Francis Ford Coppola. EUA, 1996. 113 min. Livre

Odeon

– 21h – Apocalypse Now Redux (Apocalypse Now Redux), de Francis Ford Coppola.

EUA, 2001. 202 min. 14 anos.

Dia 19 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Tonight for Sure, de Francis Ford Coppola. EUA, 1961. 69 min. 14 anos.

– 19h – Agora Você é um Homem (You’re a Big Boy Now), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1966. 96 min. Livre.

Dia 20 de junho, sábado:

CCBB

– 18h30 – Demência 13 (Dementia 13, 1963), de Francis Ford Coppola. EUA, 1963. 75 min. 14 anos. Odeon

– 21h – Drácula de Bram Stoker (Bram Stoker’s Dracula), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1992. 128 min. 14 anos.

Dia 21 de junho, domingo:

CCBB

– 15h30 – Contos de Nova York (New York Stories), de Francis Ford Coppola, Martin

Scorsese, Woody Allen. EUA, 1989. 124 min. Livre

– 18h – Cotton Club (The Cotton Club), de Francis Ford Coppola. EUA, 1984. 127 min. 14 anos. Odeon

– 21h – Virgínia (Twixt) de Francis Ford Coppola. EUA, 2011. 88 min. 14 anos.

Dia 22 de junho, segunda:

CCBB

– 16h – Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta (Hearts of Darkness: A

Filmmaker’s Apocalypse), de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola. EUA, 1991. 96 min. Livre

– 18h – Jardins de Pedra (Gardens of Stone), de Francis Ford Coppola. EUA, 1987. 96 min. 14 anos.

Odeon

– 21h – Peggy Sue, Seu Passado a Espera (Peggy Sue Got Married), de Francis Ford Coppola. EUA, 1986. 103 min. Livre.

Dia 23 de junho, terça, Odeon:

21h – O Poderoso Chefão (The Godfather), de Francis Ford Coppola. EUA, 1972. 175 min. 14 anos.

DIa 24 de junho, quarta:

CCBB

– 16h – Demência 13 (Dementia 13, 1963), de Francis Ford Coppola. EUA, 1963. 75 min. 14 anos

– 18h – O Homem que Fazia Chover (The Rainmaker), de Francis Ford Coppola. EUA, 1997. 135 min. Livre.

Odeon

– 21h – O Poderoso Chefão, Parte II (The Godfather, Part II), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 200 min. 14 anos

Dia 25 de junho, quinta, CCBB:

– 15h30 – Contos de Nova York (New York Stories), de Francis Ford Coppola, Martin

Scorsese, Woody Allen. EUA, 1989. 124 min. Livre

– 18h – O Poderoso Chefão, Parte III (The Godfather, Part III), de Francis Ford Coppola. EUA, 1990. 162 min. 14 anos.

Dia 26 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Velha Juventude (Youth without Youth), de Francis Ford Coppola. EUA,

2007. 124 min. 14 anos.

– 19h –

Tucker, Um Homem e Seu Sonho

(Tucker, The Man and His Dream), de

Francis Ford Coppola. EUA, 1988. 110 min. Livre.

Dia 27 de junho, sábado, CCBB:

– 15h – Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta (Hearts of Darkness: A

Filmmaker’s Apocalypse), de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola. EUA,

1991. 96 min. Livre

– 17h30 – Apocalypse Now Redux (Apocalypse Now Redux), de Francis Ford Coppola.

EUA, 2001. 202 min. 14 anos.

Dia 28 de junho, domingo, CCBB:

– 16h – O Poderoso Chefão, Parte III (The Godfather, Part III), de Francis Ford Coppola. EUA, 1990. 162 min. 14 anos.

– 19h – O Homem que Fazia Chover (The Rainmaker), de Francis Ford Coppola. EUA, 1997. 135 min. Livre.

Dia 29 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Peggy Sue, Seu Passado a Espera (Peggy Sue Got Married), de Francis Ford Coppola. EUA, 1986. 103 min. Livre.

– 19h – Velha Juventude (Youth without Youth), de Francis Ford Coppola. EUA, 2007. 124 min. 14 anos.

FRANCIS FORD COPPOLA: O CRONISTA DA AMÉRICA

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Curadoria: Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida Produção: Voa! Comunicação e Cultura http://www.bb.com.br/cultura

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

3 a 29 de junho de 2015 (quarta a segunda-feira)

Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020 Salas de Cinema 1 (98 lugares) – Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia). http://www.twitter.com/ccbb_rjhttp://www.facebook.com.br/ccbb.rj

Centro Cultural Severiano Ribeiro – ODEON

18 a 24 de junho de 2015

Praça Floriano, 7 – Cinelândia – tel. (21) 2240-1093

Ingressos: R$ 24 (segunda a sexta), R$ 18 (sábado, domingo, feriado)

Anúncios