Show do Casuarina – Eu fui!

Assim como no ano passado, resolvemos comemorar o feriado do trabalhador com samba, e no Imperator. Só que o show da vez foi de uma banda que eu estava querendo ver fazia algum tempo: Casuarina. Os rapazes acabaram de lançar o CD “No Passo de Caymmi”, em que apresentam canções de Dorival. Mesmo com o recente trabalho, o quinteto carioca não se limitou ao repertório do baiano para o show, mas a clássicos do samba e às suas composições próprias também.

Com uma blusa temática – escrita “Quit work, make music” – um dos vocalistas, João Cavalcanti deu início ao show com “O Ronco da Cuíca”, para em seguida mostrar ao público a satisfação da banda em estar no Imperator, pela importância da casa no cenário cultural carioca. “É isso aí (isso é problema dela)”, “O dia se zangou” e “Vaso ruim” foram as seguintes. E assim seguiram cantando canções próprias, e outras clássicas de João Nogueira, Dorival Caymmi, Martinho da Vila, entre outros.

Também estiveram presentes no repertório “Certidão”, “Acreditar”, “Nicanor”, “Baile no Elite”, “Ponto de Vista”, “Com que Roupa?”, “Peço Licença”, “Pimenta no Vatapá”, “Insensato Destino”, “Dissimulata”, “Linha de Passe”, “Baião da Penha”, “Cabelos Brancos”, “Disritmia”, “Samba da minha terra”, “Rosa Morena”, “Vatapá”, “Eu Quero é Botar meu Bloco na Rua”, “Lapinha”, “Samba de Helena”, “Minha Filosofia” e “Retalhos de Cetim”.

O show começou muito animado, mas caiu um pouco depois das primeiras canções, inclusive nos seus andamentos. Só foi reacender a galera da metade para o fim. Principalmente na última canção, “Aquarela do Brasil”, que encerra todo bom sambão que se preze. Não sei se pelo rico repertório – que sempre puxa por várias canções antigas e clássicas – ou pelos 2 bons vocalistas à frente (ou pelos 2 motivos), a banda, surgida na Lapa e que já conta com mais de 10 anos de carreira, levou para o Imperator uma quantidade de pessoas que há tempo não via em um show na casa.