Um momento pode mudar tudo

A vencedora do Oscar Hilary Swank (“A condenação”, “Menina de ouro”) interpreta uma pianista recém-diagnosticada com ELA (Esclerose lateral amiotrófica) no longa “Um momento pode mudar tudo” (You’re not you), que estreia nos cinemas no próximo dia 02/04. Ao lado da estrela em ascensão Emmy Rossum (“Shameless” “O dia depois de amanhã”), Swank, que também é uma das produtoras do filme, protagoniza uma história surpreendente sobre a amizade entre duas mulheres. A direção é de George C. Wolfe, a partir de um roteiro de Shana Feste e Jordan Roberts, baseado no romance de Michelle Wildgen. O lançamento é nacional e a distribuição é da H2O Films.

No filme, Hilary Swank interpreta Kate, uma pianista clássica sofisticada e bem-sucedida, que acaba de ser diagnosticada com uma doença terminal. Emmy Rossum é Bec, uma universitária que está meio perdida e não consegue dar conta da desordem que é a sua vida. Na tentativa desesperada de conseguir um emprego, Bec passa a dar assistência a Kate. Enquanto o casamento de Kate e Evan (Josh Duhamel) se deteriora, ambas passam a se apoiar em algo que se torna um laço não convencional. “Kate e Bec entram nas vidas tão diferentes uma da outra, criam um tipo de caos e então encontram uma ligação verdadeiramente profunda e duradoura”, afirma Swank.

Vencedor duas vezes no Tony Award e lenda do teatro nos Estados Unidos, George C. Wolfe (“Noites de tormenta”) dirige o longa que retrata uma amizade transformadora. “Esta é a história de duas pessoas que confrontam a verdade nelas mesmas,” comenta Wolfe. “Às vezes na vida, quando você vai de encontro a um obstáculo não negociável, qualquer que ele seja, esse obstáculo se torna uma oportunidade para que você se torne outra versão de si mesmo. Isso foi o que achei mais fascinante em “Um momento pode mudar tudo”.”

Ainda segundo o diretor, o título original em inglês You’re not you (Você não é você) surge de algo que Kate diz para Bec, mas em muitos aspectos é sobre cada um dos personagens. “Cada um dos personagens está preso interpretando uma versão de si mesmos – até que começam a ver que há uma versão mais complicada, mais evoluída e profunda de quem eles podem ser dentro de si mesmos. Na jornada do filme, eles se aproximam mais de quem são”.

Juntam-se a Swank, Rossum e Duhamel no elenco, Loretta Devine (vencedora do Emmy por seu papel na série de TV Grey’s Anatomy); Ernie Hudson (Scandall, “A vida secreta de uma adolescente americana”); Frances Fisher (“Os imperdoáveis”, “Titanic”); Marcia Gay Harden (vencedora do Oscar por “Pollock” e vencedora do prêmio Tony por “Deus da carnificina”); Jason Ritter (indicado ao Emmy por seu papel na série de TV Parenthood), Julian McMahon (“Quarteto fantástico e o surfista prateado”, “Red: aposentados e perigosos”), Ali Larter (“Resident Evil 4: Recomeço”, Heroes) e Andrea Savage (“Quase irmãos”).

A direção de fotografia é assinada por Steven Fierberg (“Amor e outras drogas”, “A filha do meu melhor amigo”), a direção de arte é de Aaron Osborne (“Gente grande 2”, “Débi & Lóide 2”), a edição de Jeffrey Wolf (“Quatro amigas e um casamento”) e o figurino de Marie Sylvie-Deveau (“Eu sou o número quatro”, “Paranóia”).

O processo

Quando a produtora Alison Greenspan, da Di Novi Pictures, leu o livro, ela ficou intimamente impactada. Seu pai e uma tia tinham o diagnóstico de ELA e Greenspan foi atraída pelo modo como Michelle Wildgen abordou o tema. “Eu gostei da forma realista como o livro abordou o tema, refletindo sobre a dignidade e o orgulho das pessoas que vivem com a doença. Mas também fui atraída por ser uma história divertida sobre duas mulheres que salvam uma a outra”.

Greenspan compartilhou o livro com a sócia, Denise Di Novi, e as duas imediatamente começaram a conversar sobre quem poderia interpretar o papel de Kate – a instrumentista virtuosa e feroz que se encontra na posição inimaginável de ficar subitamente vulnerável e necessitar de muitos cuidados. Para Di Novi, havia apenas uma atriz que vinha à mente: Hilary Swank, conhecida por se engajar nos papeis com compromisso e profundidade extremos, além de interpretar um rol de mulheres desafiadoras.

Quando Swank teve contato com a história, se comprometeu não somente com o papel, mas veio abordo como produtora. “Minha parceira de produção Molly Smith e eu lemos o livro e nos apaixonamos imediatamente. Não foi necessário pensar muito para nos comprometermos com o projeto. É a jornada de duas pessoas que vivem em mundos completamente opostos, que descobrem que têm muito mais em comum do que pensam”.

Sobre o roteiro a atriz comenta: “O diálogo é irreverente e tivemos dois roteiristas incríveis – Shana Feste e Jordan Roberts – que foram hábeis especialmente em capturar a voz de Bec.”

À medida que os produtores desenvolveram o roteiro, também iniciaram a busca por um diretor que pudesse trazer à tela a combinação característica de sensibilidade, honestidade e irreverência da história. Eles encontraram isso em George C. Wolfe, reconhecido por seu trabalho como dramaturgo e como o diretor de elogiadas produções da Broadway, como Angels in America: Millennium approaches e Bring in da noise/Bring in da funk. Seus filmes incluem a adaptação premiada da HBO de Lackawanna Blue e o drama romântico “Noites de tormenta”, estrelando Richard Gere e Diane Lane, produzido por Di Novi e Greenspan.

Hilary Swank sobre Kate

Desde o início, Hilary Swank foi movida por um desejo de fazer justiça total a Kate. Ela queria ao mesmo tempo retratar de maneira fiel como é viver com ELA, além de mergulhar fundo no vasto pêndulo de emoções e experiências inesperadas que Kate descobre à medida que sua vida se desvia para algo completamente diferente do que ela imaginava.

“Kate sempre foi uma perfeccionista,” observa Swank. “Acho que por muitas razões ela gostava de controlar completamente cada aspecto de sua vida – mas agora esse controle é repentinamente retirado dela. A única coisa que ela ainda pode controlar é como ela escolhe lidar com tudo aquilo que está sendo jogado nela. Para mim, acho que a beleza da sua personagem é vê-la passar por isso passo a passo, ver como isso afeta seus relacionamentos, e como não só ela consegue ver as pessoas ao seu redor com mais clareza, como também ela se permite ser vista de um jeito que jamais fora capaz antes. Isso foi especialmente forte para mim.”

Para representar a personagem completamente, Swank mergulhou em uma pesquisa extensiva sobre como progride a ELA. Em cerca de 10% dos casos, as pessoas conseguem viver com a doença por longos períodos, até décadas, mas a expectativa de vida média após o diagnóstico é de dois a cinco anos. À medida que as células nervosas se degeneram, a fraqueza muscular começa a causar impacto nos membros, depois na fala, deglutição e respiração, geralmente levando à falência respiratória. Ao mesmo tempo, a ELA não afeta a inteligência e mantém os sentidos plenamente operantes.

Encontrar pessoas em vários estágios da ELA abriu os olhos e foi inspirador para Swank. “Parte da realidade da ELA é que você se mantém tão consciente como sempre foi, mas seu corpo está falhando. É como se você estivesse preso em um corpo que não funciona… Então como você se move pela vida desse jeito? Algumas pessoas que tive a oportunidade de conhecer têm companheiros extraordinários.”, destaca a atriz. Um dos grandes desafios foi incorporar à personagem as mudanças vocais que ocorrem à medida que os músculos decaem.

Apesar de ter-se comovido com os casais que conheceu e continuavam juntos, Swank também conseguiu entender porque Kate e Evan implodem quando a pressão sobre eles aumenta.”Quando você recebe um diagnóstico como ELA, uma luz brilhante se derrama sobre tudo,” a atriz comenta. “E todas as fissuras no relacionamento de Kate e Evan são subitamente iluminadas, expondo as linhas falhas. Pessoas que conheci em situações similares, todas reconhecem que a intimidade muda. Em alguns casos, o amor se aprofunda, mas em outras, a luz incide sobre as fissuras e é isso o que acontece com Evan num primeiro momento.”

Sobre o trabalho ao lado de Emmy Rossum, Swank afirma que a atriz sempre foi a sua primeira escolha para Bec. “Seu teste me levou às lágrimas. Ela foi tão comovente… E também como produtora é maravilhoso ler um livro e depois desenvolver o roteiro, ver todas as alterações pelas quais ele passa e então um dia ver uma atriz chegar e ser tudo aquilo que você imaginou e mais. Para mim isso foi Emmy”.

Emmy Rossum sobre Bec

A personagem de Bec, que se candidata por um capricho a ser a cuidadora de Kate, representou um dilema interessante na escolha do elenco. Ela é, no fim das contas, completamente tomada por contradições: mal sucedida, mas inteligente, com baixa autoestima, mas corajosa, uma completa desordem e ao mesmo tempo mais capaz de intuição, força e devoção do que imagina. Uma estudante universitária que tem um caso com um professor casado, enquanto persegue sem sucesso uma carreira de cantora e compositora, ela teria de ser a última pessoa do mundo a parecer apta a cuidar de alguém sofisticado e com altas expectativas como Kate.

Diversos testes aconteceram, mas cessaram quando Emmy Rossum apareceu. Rossum ficou em evidência tanto como atriz como cantora, mais recentemente recebendo elogios por seu papel como Fiona Gallagher, na série Shameless, da Showtime.

Rossum sentiu uma atração magnética pelo roteiro imediatamente. “O roteiro era emocional, mas também era real, corajoso e divertido. Eu realmente gostei de Bec, que tinha meio que perdido seu rumo, mas tudo isso muda quando ela responde ao anúncio de ajuda para Kate,” afirma. “Bec chega armada com todas as suas defesas, seu estranho senso de humor e sua atitude assertiva. Ela não tem realmente a intenção de que esse trabalho signifique nada, mas ele a leva a descobrir a amizade, o amor e a si mesma.”

Rossum diz que trabalhar com Swank tornou os desafios ainda mais empolgantes. “Eu amo a Hilary. Ela é incrivelmente inteligente e muito instintiva. Ela trabalha de um lugar fortemente técnico, mas também muito emocional, e acho que descobrimos que temos abordagens muito parecidas. Foi divertido descobrirmos as personagens juntas.”

Outro atrativo para Rossum foi a oportunidade de trabalhar com Wolfe. “Eu estava muito intimidada só de entrar na sala para o teste com George, porque eu havia ouvido que ele era muito exigente e muito teimoso. E eu sou muito teimosa. Então pensei, vamos nos dar muito bem, ou não vamos nos dar bem de jeito nenhum.”

Um elemento essencial das identidades tanto de Kate quanto de Bec é a música, que se tornou emaranhada com a visão de Wolfe para o filme. O supervisor musical Jonathan Watkins veio abordo para orientar a trilha sonora. Enquanto isso, Emmy Rossum, que é também cantora e compositora, escreveu a canção Falling Forward, que ela canta como Bec no filme. “Ouvimos algumas músicas incríveis escritas por alguns músicos muito talentosos, mas nenhuma parecia soar verdadeira para a personagem de Bec,” lembra Watkins. “Emmy, que tinha conhecimento íntimo das personagens, nos trouxe Falling Forward cerca de duas semanas antes de a cena ser filmada”.

Consultoria

Desde o início, George C. Wolfe fez a base da autenticidade de “Um momento pode mudar tudo” – focar cada elemento da produção na autenticidade das duas mulheres no centro da história, na autenticidade da amizade verdadeira e, especialmente, nas experiências autênticas das pessoas que vivem com ELA. Para ajudar a educar o elenco e a equipe em relação ao tema citado por último, ele trouxe a enfermeira Mary Beth Geise, que tem décadas de experiência de trabalho com pacientes de ELA, como consultora. Geise trabalhou especialmente próxima de Hilary Swank e Loretta Devine (que interpreta Marilyn, também diagnosticada com ELA) para assegurar a verossimilhança, compartilhando seu conhecimento sobre como os pacientes com ELA se movem, falam e mudam com o tempo. Ela também trabalhou com Emmy Rossum, Josh Duhamel e Ernie Hudson para dar-lhes uma visão detalhada dos prós e contras físicos do processo de cuidar. Além disso, Wolfe convidou membros da comunidade da ELA para participar o máximo possível do filme, incluindo usar portadores de ELA como figurantes em uma cena chave.

Sinopse longa

Kate (Hilary Swank) é uma pianista clássica sofisticada, casada, extremamente bem-sucedida e recém-diagnosticada com ELA (esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como doença de Lou Gehrig). Bec (Emmy Rossum) é uma estudante impertinente e aspirante a cantora de rock que mal consegue dar conta caos que é a sua vida, tanto no aspecto romântico quanto em outras áreas.

Conforme a doença de kate avança, seu casamento com Evan (Josh Duhamel) se deteriora. Quando Bec consegue o emprego para dar assistência a Kate, ambas passam a se apoiar em algo que se torna um laço não convencional. Como está sem objetivo, Bec está determinada a se tornar uma sombra íntima de Kate, passando por situações confusas e embaraçosamente cômicas.

À medida que a cautelosa e voluntariosa Kate começa a se contagiar com o turbilhão e o espírito livre que é Bec – e vice versa – ambas acabam encarando arrependimentos, explorando novos territórios e expandindo suas ideias sobre quem realmente querem ser.

Sinopse curta

Kate (Hilary Swank) é uma pianista clássica sofisticada, recém-diagnosticada com ELA (esclerose lateral amiotrófica). Bec (Emmy Rossum) é uma estudante impertinente e aspirante a cantora de rock que aceita uma tentativa desesperada de emprego para dar assistência a Kate. Enquanto o casamento de Kate e Evan (Josh Duhamel) se deteriora, ambas passam a se apoiar em algo que se torna um laço não convencional.

FICHA TÉCNICA:

Título em português: Um momento pode mudar tudo
Tìtulo original: You’re not you
Direção: George C. Wolfe
Roteiro: Shana Feste e Jordan Roberts
Elenco: Hilary Swank, Emmy Rossum, Josh Duhamel, Loretta Devine, Ernie Hudson, Frances Fisher, Marcia Gay Harden, Jason Ritter, Julian McMahon, Ali Larter e Andrea Savage
Produtores: Azim Bolkiah (DPP), Alison Greenspan (Di Novi Pictures), Molly Smith e Hilary Swank (2S Films)
Produtores executivos: Rhian Williams, Joanne Podmore, Denise Di Novi e Ellen H. Schwartz
Diretor de fotografia: Steven Fierberg
Diretor de arte: Aaron Osborne
Editor: Jeffrey Wolf
Figurinista: Marie Sylvie-Deveau

Trailer oficial – https://www.youtube.com/watch?v=IBS-agkVYYY

Anúncios