“S’imbora, o musical – a história de Wilson Simonal” – Eu fui!

“Certa ocasião estava conversando com meu anjo da guarda, e ele virou sério para mim e disse: ‘Simona, ou você vai ser alguém na vida, ou vai morrer criolo mesmo'”. A célebre e premonitória frase de Wilson Simonal é um misto de autopejorativa e autoconfiante. A interpretação é de cada um, mas há uma verdade absoluta: o “rei da pilantragem” não passou por esta vida despercebido.

Sua vida e sua arte estão sendo representadas no palco do Teatro Carlos Gomes no musical “S’imbora, o musical – a história de Wilson Simonal”. A história do artista tem seus altos e baixos, tanto na carreira, quanto no âmbito pessoal pois, no caso, eles se misturam. O espetáculo narra o sucesso meteórico de “Simona” – da infãncia pobre à fama arrebatadora, sendo reconhecido internacionalmente e se tornando o primeiro artista negro POP do Brasil – até sua decadência, afundado em dívidas, alcoolismo e ostracismo.

Wilson Simonal morreu em 2000. Não vou entregar minha idade (hehe), mas já era grandinha este ano. E eu, que sempre curti música, não lembro de absolutamente nada do artista em vida até então. Vou incorporar a marra “simonalesca” e considerar isto como um indício do esquecimento que o artista sofreu após o escândalo que se popularizou no início da década de 1970. Começou a ser visto como “mascarado”. O próprio se “defendeu” dizendo que sempre havia sido. Com polêmicas e insucessos de administração, sua carreira começou a se desestruturar. Mas a coisa ficou mais séria quando, desconfiado de seu contador, pediu ajuda a amigos policiais (agentes do DOPS), que o sequestraram para que denunciasse quem o estava roubando em sua produtora (Simonal Produções, que já não lucrava mais). O episódio culminou na prisão do cantor que, posteriormente, em uma cadeia de equívocos, foi acusado de delator a serviço da ditadura militar.

Antes da peça, havia lido a respeito do trabalho e da vida de Simonal, e me parecia que o espetáculo seria muito triste. Até é em alguns momentos, em que se torna impossível não se envolver com a história. Mas o resultado é “pra cima” a maior parte do tempo, até no desfecho. E, como disse Pedro Brício – diretor da peça -, o maior trunfo do trabalho é a qualidade musical.

Ícaro Silva é um impecável Wilson Simonal. Apesar do timbre menos grave do homenageado, o ator / cantor faz interpretações parecidíssimas com as gravações ou apresentações originais. Jovem e experiente em musicais, já o conhecia de “Rock’n Rio, o musical” e “Elis, a musical”, em que representava Jair Rodrigues em um incrível dueto com a dona do papel-título, Laila Garin. Difícil mesmo é escolher o melhor número. Talvez deva destacar “Tributo a Martin Luther King” e “Cordão”, mas mais pelos momentos de maior emoção. Porque, se formos julgar pela qualidade, todos se destacam.

Na categoria “talentos individuais”, destaca-se Victor Maia, que faz vários personagens importantes, como Eduardo Araújo, Roberto Carlos e César Camargo Mariano, com bons trabalhos de sotaque. Além de fazer um surpreendente dueto com Ícaro em “O bom” – logo nos primeiros minutos de espetáulo -, também mostra-se ótimo bailarino.

“S’imbora…” pula para o topo do meu Top 5 de melhores musicais do ano, que ainda está no início. Independentemente disto, é uma excelente chance de conhecer a história de Wilson Simonal que, como o próprio dizia, transformou-se em um morto-vivo e foi condenado a um ostracismo artístico. Ao contrário do que poderia parecer na época, sua obra permanece viva e merece ser conhecida e valorizada.

Como dizia Carlos Imperial – narrador do espetáculo, também amigo e mentor da carreira de Wilson Simonal -, “10, nota 10!”.

 

 

SERVIÇO
‘S´IMBORA, O MUSICAL – A HISTÓRIA DE WILSON SIMONAL’
Estreia: 16 de janeiro (sexta)
Temporada: até 12 de abril
Teatro Municipal Carlos Gomes
Praça Tiradentes, 19
Telefone: 2232.8701
Horários
Quinta a sábado – 20h
Domingo – 18h
Preços:
Quintas, sextas e domingos: R$ 80,00
Sábados: R$ 90,00
Vendas na bilheteria do teatro
Horário da bilheteria:
de quarta a domingo, das 14h às 18h http://www.compreingressos.com
Classificação etária: não recomendado para menores de 12 anos
Capacidade do teatro: 685 lugares
Duração: 2h40 (com intervalo)

 

P.S.: Agradeço a Uns Comunicação pelos convites.

 

Medalha de prata no nosso Top 5 de melhores musicais de 2015, veja só!

Anúncios