Espetáculos e processos abertos serão apresentados no Teatro Dulcina

Foto: Divulgação

Durante todo o mês de outubro e o início de novembro, o Teatro Dulcina, através do projeto Dulcinavista, será um dos palcos da segunda edição da mostra hífen de pesquisa-cena, uma realização da companhia carioca Teatro Inominável, em parceria com o Instituto Galpão Gamboa. Com apoio cultural da produtora Pequena Central, a mostra levará espetáculos teatrais de novas companhias, processos abertos, performances e encontros com artistas e pesquisadores para diferentes espaços da cidade, como o Teatro Dulcina, Teatro Glaucio Gill, Reduto e Galpão Gamboa. A Cia Teatro Inominável é formada pelos artistas-pesquisadores Adassa Martins, Caroline Helena, Diogo Liberano, Flávia Naves e Natássia Vello.

Desenvolvido pelo Galpão Gamboa, o projeto Dulcinavista vai até o final de novembro, com espetáculos adultos, infantis, leituras e oficinas. A direção artística é de Marco Nanini e Fernando Libonati e curadoria de César Augusto.

mostra hífen de pesquisa-cena

Em sua primeira semana, a mostra hífen levará para o Teatro Dulcina o processo aberto do novo espetáculo da Cia carioca Teatro Voador Não Identificado, “O processo” e a peça “Parasitas”, da vai!cia de teatro, de Porto Alegre.

“O processo” (01/10)
Com estreia prevista para 1º de novembro, na Sede das Cias, “O processo”, da Cia Teatro Voador Não Identificado, abrirá a mostra hífen no dia 1º de outubro. O espetáculo foi criado a partir do romance homônimo de Franz Kafka, no qual o escritor apresenta o personagem principal, Joseph K., preso, mas sem saber os motivos pelos quais foi acusado.

Em cena, a cada apresentação, um ator convidado viverá o papel do protagonista, entrando em cena sem nunca ter ensaiado e sem conhecer o espetáculo, ao lado de um elenco fixo que conhece todas as regras do jogo. Na abertura da mostra hífen, Diogo Liberano (integrante da companhia carioca Teatro Inominável e também curador da mostra) será o ator convidado. Além do ensaio da peça, o processo aberto da mostra hífen realizará discussões sobre o processo de criação e compartilhamento dos processos criativos com o público presente.

Sinopse: Baseado em “O Processo” de Franz Kafka, nesta peça, o protagonista Joseph K é interpretado por um ator diferente a cada apresentação.

Sobre o Teatro Voador Não Identificado
Formado em 2011 por alunos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Unirio), o Teatro Voador Não Identificado forma-se como um grupo que vêm investigando as múltiplas possibilidades do teatro documentário e das dramaturgias fragmentada, colaborativa e do ator. O grupo é integrado pelos artistas Elsa Romero, Gaia Caatta, Isadora Petrauskas, Julia Bernat, Leandro Romano, Lia Maia e Luiz Antonio Ribeiro, que se dividem entre diversas funções a cada projeto.

Ficha técnica
Texto: Luiz Antonio Ribeiro
Direção: Leandro Romano
Assistência de direção: Julia Bernat
Elenco: Alonso Zerbinato, Amanda Grimaldi, Cirillo Luna, Daniel Passi, Larissa Siqueira da Cunha, Pedro Müller + 1 ator convidado
Cenografia, figurino e iluminação: Elsa Romero, Gaia Catta e Lia Maia
Produção executiva: Renata Giardini
Realização: Teatro Voador Não Identificado

Duração: 120 minutos
Classificação: 18 anos

“Parasitas” (03, 04 e 05/10)
O espetáculo foi criado a partir de um concurso destinado a jovens diretores porto-alegrenses, do Goethe Institut, em 2010, para realização de uma encenação do texto “Parasitas”, do dramaturgo alemão Marius von Mayenburg. Premiado no concurso, o diretor João Pedro Madureira e os outros integrantes da Cia vai! desenvolveram o espetáculo “Parasitas”, o segundo do repertório do grupo.

A peça trata das relações humanas e da maneira como as pessoas se colocam diante umas das outras, buscando exercer sua identidade. Não há espaço para a compreensão, mostrando o ser humano como individualista e solitário, porém, muito dependente do outro. Cinco pessoas aproximadas por circunstâncias com as quais não podem lidar e das quais não podem escapar.

Sinopse: Petrik é casado com Friederike que está grávida e é irmã de Betsi, esposa de Ringo que foi atropelado por Multscher e ficou paraplégico. Ringo quer continuar; Multscher quer alguém; Betsi quer ir à praia; Petrik quer ser uma cobra e Friederike quer morrer.

Sobre a vai!ciadeteatro
A vai!ciadeteatro nasce em agosto de 2008, em Porto Alegre (RS), iniciando pesquisa em torno da temática das opressões sociais. No ano seguinte estreia temporada do seu primeiro espetáculo, “Agora eu era”, contemplado pelo Prêmio Funarte Myriam Muniz de Teatro. Após “Parasitas”, em 2010, no ano seguinte a Cia vence o Prêmio Carlos Carvalho Auxílio-Montagem, levando para os palcos o texto “Cara a tapa”, de Tarcisio Lara Puiati. Em 2013, a companhia desenvolve uma pesquisa sobre a linguagem da performance, financiado pelo FUMPROARTE: “Sincronário – O dia fora do tempo” é realizado em comemoração aos 5 anos da companhia, realizando uma série de performances que envolveu cerca de 50 artistas da cidade durante 12 horas seguidas.

Ficha técnica
Texto: Marius Von Mayenburg
Direção: João Pedro Madureira
Elenco: Francisco Gick, Laura Leão, Leo Maciel, Patrícia Soso e Priscilla Colombi
Cenário: Leonardo Fanzelau
Figurino: Daniel Lion
Iluminação: Casemiro Azevedo
Iluminação Mostra Hífen: Lívia Ataíde
Maquiagem: Taidje Gut
Produção: Laura Leão

Gênero: Drama
Duração: 60 minutos
Classificação: 16 anos

SERVIÇO
Datas:
01/10 (quarta-feira) – “O processo”
03, 04 e 05/10 (sexta, sábado e domingo) – “Parasitas”
Horário: 19 horas
Local: Teatro Dulcina
Capacidade: 300 lugares
Endereço: Rua Alcindo Guanabara, 17 – Centro
Telefone: (21) 2240-4879
Entrada gratuita
Site: http://www.dulcinavista.com.br