Festival de Vitóra – 21º Vitória Cine Vídeo

Até 17 de setembro, Vitória se transforma na capital nacional do cinema. Durante esses dias, cineastas jovens e veteranos, produtores, atores, profissionais do audiovisual e jornalistas de todo o Brasil se reúnem na capital do Espírito Santo para o Festival de Vitória – 21º Vitória Cine Vídeo (VCV). Com uma extensa e diversificada programação em torno da arte cinematográfica, o festival selecionou para suas diversas mostras 77 filmes, entre curtas e longas-metragens, de 12 estados brasileiros. Com entrada franca, todas as sessões acontecem no Theatro Carlos Gomes e no Cineclube Metrópolis, com público estimado em 30 mil pessoas. O grande homenageado desta edição é o ator e diretor Paulo José. O encerramento do evento será com a exibição de “Macunaíma”, de 1969, protagonizado por ele no papel título do anti-herói brasileiro e dirigido por Joaquim Pedro de Andrade.

Realizado pela Galpão Produções e pelo Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA), o 21º Festival de Vitória fez a sua seleção entre mais de 400 filmes inscritos e oferece mais de 40 horas de exibição. Fazem parte da programação do 21º VCV: a 18º Mostra Competitiva Nacional de Curtas (16 filmes); a 4º Mostra Competitiva Nacional de Longas (6 filmes); a 3º Mostra Foco Capixaba (5 curtas) com o melhor do cinema local; a 3º Mostra Corsária (17 curtas) com filmes que apresentam pesquisas de linguagem da estética cinematográfica; a 4º Mostra Quatro Estações (5 curtas) com produções que abordam a temática da diversidade sexual; o 15º Festivalzinho de Cinema (10 filmes), que é voltado para o público infanto-juvenil; a 1ª Mostra de Animação (9 filmes) com o melhor do cinema brasileiro no gênero e, também, a Mostra Outros Olhares (6 filmes) com documentários capixabas.

O Festival conta ainda com as Sessões Especiais VCV, apresentadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com três longas-metragens: “Até que a Sbórnia nos separe”, de Otto Guerra e Ennio Torresan Jr.; “Lascados”, de Vitor Mafra, com Chay Suede no elenco, e “Cidade de Deus, 10 anos depois”, de Cavi Borges e Luciano Vidigal, sobre a trajetória de vida dos atores do filme “Cidade de Deus”. Entre os curtas-metragens selecionados, 17 estreiam no Festival de Vitória. Na Mostra Foco Capixaba, por exemplo, quatro dos cinco filmes em competição são estreantes. Em relação aos longas-metragens, o Festival buscou contemplar a diversidade da atual produção cinematográfica brasileira e exibirá trabalhos consagrados em outros festivais como “A Vizinhança do Tigre”, de Affonso Uchôa, vencedor na 17º Mostra de Cinema de Tiradentes, e “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante, grande vencedor do 6º Paulínia Film Festival. Pela segunda vez, o Festival de Vitória contará com um longa-metragem capixaba competindo, “Entreturnos”, de Edson Ferreira.

Na noite de sexta-feira, 12 de setembro, serão exibidos os primeiros filmes que concorrem às premiações do júri técnico do Festival de Vitória – 21º Vitória Cine Vídeo. Logo após a Cerimônia de Abertura, será feita uma homenagem à diretora, jornalista e atriz capixaba Glecy Coutinho, seguida da exibição dos filmes da 3ª Mostra Foco Capixaba.

Pela primeira vez a Mostra conta com um filme de animação. O curta “Saia”, de Davi de Jesus Cáo, foi selecionado para o Panorama Internacional do Anima Mundi 2014. O documentário será representado por “Vitória F.C.”, de Vitor Graize e Igor Pontini, sobre o tradicional clube capixaba, e por “Desfragmentos”, da diretora estreante Melina Leal Galante. Duas ficções encerram a lista: “Pássaro de Papel”, de Leo Alves, sobre um personagem preso à nostalgia, e “Pela Janela”, de Diego de Jesus, curta que constrói um clima aterrorizante para falar da paranoia urbana cotidiana.

A maratona cinematográfica acaba na noite de 17 de setembro com a Cerimônia de Premiação e exibição de “Macunaíma”, de 1969, dirigido por Joaquim Pedro de Andrade e protagonizado por Paulo José. Na ocasião, serão anunciadas as melhores produções do Festival em mais de 20 categorias escolhidas por um júri formado por profissionais da área cinematográfica. Fazem parte do júri o realizador e professor Aleques Eiter, a pesquisadora e produtora Kênia Freitas, a realizadora e cineclubista Margareti Taquetti e os cineastas Bertrand Lira e Adriano Lima. Os filmes premiados recebem o Troféu Marlin Azul. São curadores do Festival de Vitória deste ano o professor universitário e pesquisador Erly Vieira Jr., o diretor e crítico de cinema Rodrigo de Oliveira e a programadora audiovisual Rosemeri Barbosa.

Além das sessões
Junto com as exibições, que acontecerão no Theatro Carlos Gomes e no Cineclube Metrópolis, o 21º VCV ainda promove o 16º Concurso de Roteiro Capixaba e 3º Concurso de Mídias Alternativas. Este ano, uma outra novidade é o 1º Concurso Nacional de Web Séries. Trata-se de uma aposta na difusão de conteúdos multimídia e nos novos formatos audiovisuais e contará com um júri formado pela Coordenadora de Conteúdo e Novas Mídias do Canal Brasil, Gesiele Vendramini, e pela Diretora Sênior de Talento e Música para a Viacom (MTV, VH1, Nickelodeon e Comedy Central), Anna Butler.

O evento ainda contará com oficinas de formação na área audiovisual, além de debates e encontros com pesquisadores de cinema, realizadores e o público em geral. A cada ano, o VCV tem se firmado enquanto espaço para novos talentos e de reconhecimento da carreira de profissionais já consolidados. Maior evento do audiovisual no Espírito Santo, o Festival de Vitória, por meio de sua extensa programação, é uma janela para filmes inéditos ou fora dos circuitos comerciais e cumpre a importante tarefa de aproximar os realizadores do público.

Para a Diretora do VCV, Lucia Caus, o Festival de Vitória contribui para o pleno exercício da cidadania cultural dos criadores e dos espectadores e tem o compromisso de contribuir com o desenvolvimento da produção audiovisual brasileira, a reciclagem dos profissionais capixabas, a democratização do acesso da população aos bens culturais e a formação de plateia. “Temos mobilizado, anualmente, um público estimado em 30 mil pessoas. Este ano, comemoramos a maioridade plena do VCV, um evento que se consagrou na agenda cultural do Espírito Santo e no circuito nacional de festivais de cinema”, afirma Lucia, que, neste ano, recebeu inscrições de 360 curtas e 60 longas. “Além da difusão de filmes brasileiros, o Festival é um momento de intercâmbio e que promove a reciclagem dos profissionais capixabas”, acrescenta.

Mais informações no site: http://www.festivaldevitoria.com

Anúncios