“A onda da vida” – Eu fui!

Cinematograficamente falando, os adolescentes não têm do que reclamar. Muitos filmes que estão estreando ultimamente são voltados para eles. É o caso de “A onda da vida – Uma história de amor e surf”, fruto de José Augusto Muleta. Experiente em filmes comerciais e videoclipes, faz agora sua estreia como diretor de longas metragens.

O filme conta a história de três amigos que saem de carro do Rio de Janeiro com destino ao litoral da Bahia em busca da onda perfeita. No caminho, o carro quebra e eles têm que interromper a viagem. Param na Vila de Regência, no Espírito Santo, um paraíso desconhecido com ondas perfeitas.

Segundo o produtor executivo Rik Nogueira, a história não é real, mas poderia ser. “A gente brincou com personagens reais, mas é uma ficção. Mas você vendo o filme fica acreditando mesmo que existe essa história. Que vai chegar lá em Regência e vai encontrar mesmo o Thiago e a Thalena”, diz.  Esta personagem é a mocinha do filme, também se chama Thalena e é moradora de Vila de Regência.

O público do filme é bem específico. Adolescente, surfista. Como não me identifico com nenhuma das duas categorias, tive dificuldade em me envolver com a história. O enredo também tenta passar mensagens no sentido good vibe. Os três amigos encontram a Vila de Regência por acaso e, mesmo estando sem dinheiro e sem conhecerem ninguém por lá inicialmente, são acolhidos pelos moradores locais. O que os leva a perceber que não precisam de muito para serem felizes.

Outra referência a essa simplicidade está o orçamento curto do filme, R$ 65.000,00. O elenco também é composto boa parte pelos moradores de Vila de Regência, cujo preparo foi feito pelo próprio diretor. Em troca, ele mostra um pouco da cultura deles na telona, como a banda do congo, tradição da região.

Aos interessados em “embarcar nessa onda”, o filme será exibido no Cinépolis São Gonçalo. Aqui no Rio de Janeiro, pois também haverá apresentação em outras cidades, como São Paulo, Vitória e Santos.


Trailer: