“Moacyr Luz e Samba do Trabalhador” – Eu fui!

Neste feriado de 1º de maio de 2014, Moacyr Luz fez o Imperator de escritório e levou seu “Samba do Trabalhador” para os palcos. O evento, conhecido como “Moacyr Luz E Samba do Trabalhador” já acontece há 8 anos no Clube Renascença – todas as segundas-feiras, às 16:30h – e teve sua única edição especial para comemorar o Dia do Trabalho. Os frequentadores do Centro Cultural João Nogueira foram conferir a apresentação. Assim como eu, e conto aqui o que rolou.

Plateia cai no samba com Moacyr Luz no Imperator Foto: apetecer.com

Plateia cai no samba com Moacyr Luz no Imperator
Foto: apetecer.com

Moacyr sobe o palco e já inicia com uma composição própria, “Eu só quero beber água”. Em seguida, emenda com sucessos de colegas compositores e canções fruto de sua parceria com eles. Como exemplo disto, cantou “Praça Mauá: que mal há?”, “Rainha negra” e “Saudades da Guanabara”, todas compostas com Aldir Blanc, sendo a última também de autoria de Paulo César Pinheiro. Já a dupla de Moacyr e Paulo Cesar Pinheiro esteve presente em “Som de prata” – ode ao carinhoso Pixinguinha – interpretada por Gabriel Cavalcante, integrante da banda.

Bastante habituado ao bairro, Moacyr Luz, que já morou no Méier, se mostrava satisfeito por retornar ao Imperator, local que já ofereceu bons momentos para a música. “Morei no Méier em 1973. Saí daqui em 1980. Peguei isso aqui (Imperator) cinema, peguei o João (Nogueira) fazendo show. Depois veio teatro, igreja. Virou essa beleza aqui.”.  Em homenagem ao citado João Nogueira, artista que dá nome ao espaço cultural, o músico ofereceu “O poder da criação”, “Mineira” e “Batendo a porta”, todas compostas por Nogueira e Paulo César Pinheiro.

Outras parcerias foram celebradas durante a apresentação, como “Minha festa” (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito) e “Vida da minha vida” (Moacyr Luz e Sereno), que foi sucesso na voz de Zeca Pagodinho. Além destas, “Samba dos passarinhos” (Moacyr Luz e Martinho da Vila) e “Senhora liberdade” (Nei Lopes e Wilson Moreira) entraram no repertório em forma de medley.

Percussionistas chamam o público para sambar - Foto: apetecer.com

Percussionistas chamam o público para sambar – Foto: apetecer.com

Em um determinado momento, Moacyr Luz sai do palco por algum tempo e deixa para sua banda a responsabilidade de levarem o samba sem seu líder. Como os músicos já estão acostumados a dividirem o vocal em muitas canções apresentadas no show, não deixam a animação baixar. Os integrantes seguem a apresentação com clássicos de Candeia, como “Gamação”, “Olha o samba, sinhá” e “Ouço uma voz” (Candeia e Nelson Amorim).

Os clássicos “Brasil pandeiro”, de Assis Valente, e “O sol nascerá”, de Cartola também foram lembrados. Esta última já com Moacyr Luz de volta ao palco, finalizando o show com “Benza Deus”, outra composição própria. E o público deixa o lugar feliz, já em clima de sexta-feira. Ou de segunda, já que não tem dia certo para curtir um samba.

 

Moacyr Luz rege banda e plateia no Imperator - Foto: apetecer.com

Moacyr Luz rege banda e plateia no Imperator
Foto: apetecer.com

Falando em segunda e conforme já citei acima, este é o dia em que ocorre o “Samba do Trabalhador”, às 16:30h, no Clube Renascença (Rua Barão de São Francisco, 54 – Andaraí). Maiores informações vocês podem conseguir na página deles no facebook: www.facebook.com/MoacyrLuzESambaDoTrabalhador

Anúncios